A Princesa e o Sapo, de Ron Clements e John Musker

Animação da Disney dirigida por Ron Clements e John Musker, A Princesa e o Sapo conta a história de uma jovem que tinha como sonho abrir um restaurante e realizar o desejo de seu falecido pai. Porém, um príncipe que visitava Nova Orleans acabou vítima de vudu e foi transformado num sapo. Sob a promessa de realizar o sonho da jovem, o príncipe sapo a convenceu de beijá-lo para que o feitiço se quebrasse, mas não foi bem o que aconteceu.

A volta da Disney à animação 2D por si só já é algo a ser reparado. A Princesa e o Sapo pode não ser uma animação magnífica, mas acaba encantando com sua estória simples, ainda que repleta de clichês, e pelas canções a la Broadway que só a Disney sabe fazer. Aqui se prova que não é preciso mais do que duas dimensões para se fazer uma animação de qualidade.

Uma característica bem típica dos clássicos da Disney, não que A Princesa e o Sapo seja um, é a importância que os personagens coadjuvantes possuem no longa. Não é preciso pensar muito para perceber que, por exemplo, Timão e Pumba tiveram uma grande responsabilidade em relação ao sucesso de O Rei Leão, até mais que o próprio Simba. Em A Princesa e o Sapo vemos coadjuvantes cativantes, mas que pouco acrescentam ao filme.

A escolha de uma negra para integrar o time de princesas da Disney até chamou a atenção no começo do longa, mas depois que a mesma é transformada em sapo – e passa 90% do filme nessa forma – é possível perceber que a personalidade da personagem é o que mais interessa no fim das contas. Fosse Tiana negra, branca, ruiva ou albina, de pouco importava. A imagem da mulher moderna ficou muito bem representada.

Sobre as canções, temos os números comuns nos clássicos: o do sonho da protagonista, o do vilão, o do coadjuvante engraçado… As melhores são mesmo as oscarizáveis “Down in New Orleans” e “Almost There”, ainda que todas se encaixem bem na proposta da animação. Ponto para Randy Newman, que, com mais essas duas, chega a 19 indicações na premiação, vencendo apenas uma vez por “If I Didn’t Have You”, de Monstros S.A.

A Princesa e o Sapo não foi a animação do ano, nem possui a melhor canção indicada ao prêmio da Academia, mas ninguém pode negar que a Disney só tem a ganhar com a volta aos clássicos e que a animação foi um grande empurrão. O estúdio passou por uma má fase 2D antes de entrar de cabeça na animação 3D, mas está claro que isso já foi superado.

Anúncios

4 Comentários on “A Princesa e o Sapo, de Ron Clements e John Musker”

  1. Vinícius P. disse:

    Por algum motivo essa animação foi uma das minhas favoritas da temporada. Acho que a Disney acertou em cheio nessa volta às produções em 2D, trazendo seu típico estilo com muitas canções – a maiora muito boa.

  2. Wally disse:

    A história já achei adorável, mas o filme me conquistou mesmo foi pelos detalhes. Algumas sacadas, a ambientação e o amadurecimento geral da Disney na abordagem do perigo.

    [****]

  3. Matheus Rufino disse:

    Ai, queria ter visto esse filme no cinema! =/ Deve ser nostalgia pura, há muito tempo que não vejo uma animação 2D que não seja alguma das clássicas, minha maior curiosidade de conferir esse longa é essa, e pelas músicas também, parece que irei adorá-las.

    • Vini, foi um bom retorno ao 2D mesmo. A Disney não decepciona com canções e aqui não foi diferente.

      Wally, que bom que gostou também! Espero ver mais dessa Disney futuramente.

      Matt, realmente os momentos musicais somados ao 2D soam nostálgicos. É uma boa experiência assistir A Princesa e O Sapo. Recomendo.

      Abração!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s